Nome Científico: Epidalea calamita (Laurenti, 1768)

Nome Comum: Sapo-corredor, Bufo-corredor

Classificação Científica:
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Amphibia
Ordem Anura
Família Bufonidae
Género Epidalea
Espécie E. calamita

Sinonímias: Bufo calamita

Estatuto de Conservação: LC - Pouco Preocupante

Sapo robusto que pode chegar aos 9 cm de comprimento. A cabeça é larga e arredondada e o focinho curto; destacam-se os olhos grandes e salientes com pupilas elípticas horizontais e íris com tonalidades que variam entre o amarelo e o verde-limão, com pigmentação negra. As glândulas parótidas são evidentes e encontram-se dispostas paralelamente. Na zona dorsal a pele é verrugosa e de aspecto rugoso (verrugas acastanhadas ou alaranjadas), podendo apresentar diversas colorações, desde o amarelo-esverdeado ao pardo-alaranjado, com um padrão de manchas esverdeadas sobre um fundo mais claro; destaca-se a presença de uma característica risca amarelada ao longo do dorso; a zona ventral é esbranquiçada. Os membros são curtos e robustos.

Ocorre em zonas arenosas e de charneca. Depende exclusivamente de charcos temporários pouco profundos para a reprodução, voltando ao mesmo charco, todos os anos, para reproduzir-se. De actividade essencialmente nocturna e crepuscular, excepto na época de acasalamento.

Espécie comum em Portugal continental, distribui-se de uma forma constante do norte ao sul do país, com uma especial incidência no interior do território.

Onde se pode encontrar:

Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina
Reserva Natural do Estuário do Sado
Parque Natural do Vale do Guadiana
Parque Nacional da Peneda-Gerês
Parque Natural da Serra de São Mamede
Parque Natural de Montesinho




> Alteração/Destruição de habitats especializados (e.g. destruição dos charcos temporários, acidificação de viveiros, arborização)
> Atropelamentos
> Destruição/perturbação de indivíduos
> Introdução de espécies exóticas
> Poluição (agrícola, industrial e pecuária)

> Restauração/preservação/protecção dos habitats especializados
> Controlo/erradicação de espécies exóticas
> Implementação de projectos de translocação
> Controlo da poluição

Ligações Externas

Atlas dos Anfíbios e Répteis de Portugal (Loureiro et al., 2008)
Disponível no portal do ICNF

Previsão da distribuição da espécie no futuro
Iberia Change | Biodiversidade e Alterações Climáticas na Península Ibérica: Mapa da espécie

MITRA nature | ICAAM - Universidade de Évora
Biodiversidade da Herdade da Mitra

Projecto "Charcos com vida"
Ficha do Bufo calamita

Importância da parceria entre conservação ex-situ e educação ambiental:necessidades nutricionais de Epidalea calamita como caso de estudo.

Previsão do impacte das alterações climáticas sobre a área de distribuição potencial do Epidalea calamita na Península Ibérica, até ao ano de 2080 (clicar na imagem para ver em maior resolução).

O clima futuro foi caracterizado com base em três diferentes cenários de emissões (Araújo et al., 2012):
> o BAMBU tem como base a extrapolação das políticas europeias actuais para o futuro. Prevê a adopção de algumas medidas de mitigação das alterações climáticas.
> o GRAS pressupõe que a Europa incrementa a tendência de liberalização, desregularização e globalização dos mercados. Prevê a adaptação da sociedade às alterações do clima em detrimento da sua mitigação. As políticas de sustentabilidade são consideradas um sinónimo de crescimento económico.
> o SEDG pressupõe a integração de políticas ambientais, sociais, institucionais e económicas num contexto de sustentabilidade. É um cenário normativo que parte do pressuposto que as políticas são definidas com vista à obtenção de objectivos concretos.

Autor: MVBIO