Nome Científico: Clamator glandarius (Linnaeus, 1758)

Nome Comum: Cuco-rabilongo

Classificação Científica:
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Cuculiformes
Família Cuculidae
Género Clamator
Espécie C. glandarius

Estatuto de Conservação: VU - Vulnerável

É uma ave insectívora de dimensão média-grande, com cerca de 40 cm de comprimento. Na cabeça é castanho-acinzentada e apresenta uma poupa mais clara (cinzenta); a garganta tem tons bege que desvanecem em direcção ao peito e ao ventre, que é liso e branco. O dorso e as asas são castanho-acinzentados e salpicados de pintas brancas. A cauda é muito longa, mais escura e branca nas pontas. O bico é preto e curvado na ponta; as patas são cinzentas. Ao contrário dos adultos, os juvenis têm a cabeça e poupa pretas e um anel ocular vermelho; o tom bege da garganta é mais carregado, contrastando com o branco do ventre; o dorso é castanho-escuro e as penas primárias das asas são marcadamente ruivas/cor-de-tijolo.

Prefere a planície, frequentando bosques e montados pouco densos ou outras áreas abertas de matos, culturas arvenses e terrenos agrícolas. Parasita os ninhos de corvídeos (sobretudo pega-rabuda, pega-azul e gralha-preta).

É uma espécie estival nidificante que ocorre na faixa interior de Portugal, do norte ao sul do país. Ainda assim, é pouco abundante, sendo mais frequente no Alentejo interior.

Onde se pode encontrar:

Parque Natural do Vale do Guadiana




Sem factores de ameaça específicos.

> Protecção dos habitats (manutenção de áreas agro-silvo-pastoris extensivas).
> Manutenção das espécies hospedeiras (depende dos seus ninhos para se reproduzir).
> Monitorização da distribuição e do tamanho das populações.

Ligações Externas

Livro Vermelho dos Vertrebados de Portugal (2005)
Disponível no portal do ICNF

Previsão da distribuição da espécie no futuro
Iberia Change | Biodiversidade e Alterações Climáticas na Península Ibérica: Mapa da espécie

Onde observar:

Previsão do impacte das alterações climáticas sobre a área de distribuição potencial do Clamator glandarius na Península Ibérica, até ao ano de 2080 (clicar na imagem para ver em maior resolução).

O clima futuro foi caracterizado com base em três diferentes cenários de emissões (Araújo et al., 2012):
> o BAMBU tem como base a extrapolação das políticas europeias actuais para o futuro. Prevê a adopção de algumas medidas de mitigação das alterações climáticas.
> o GRAS pressupõe que a Europa incrementa a tendência de liberalização, desregularização e globalização dos mercados. Prevê a adaptação da sociedade às alterações do clima em detrimento da sua mitigação. As políticas de sustentabilidade são consideradas um sinónimo de crescimento económico.
> o SEDG pressupõe a integração de políticas ambientais, sociais, institucionais e económicas num contexto de sustentabilidade. É um cenário normativo que parte do pressuposto que as políticas são definidas com vista à obtenção de objectivos concretos.

Autor: MVBIO