Nome Científico: Corvus monedula Linnaeus, 1758

Nome Comum: Gralha-de-nuca-cinzenta

Classificação Científica:
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Passeriformes
Família Corvidae
Género Corvus
Espécie C. monedula

Sinonímias: Coloeus monedula

Estatuto de Conservação: LC - Pouco Preocupante

Trata-se de uma gralha relativamente pequena, com cerca de 33 cm de comprimento e uma envergadura que atinge os 74 cm. Pelas suas menores dimensões, distingue-se facilmente dos seus congéneres, corvo-comum (Corvus corax) e gralha-preta (C. corone). Entre as suas principais características estão a nuca cinzenta-metalizada que contrasta com o preto do resto da cabeça, e nos olhos, a íris pintada de um azul pálido. O bico é preto. A plumagem é homogeneamente negra, por vezes mais acinzentada no ventre. As patas são escuras e as garras acinzentadas.

Apesar de ocorrer numa variada gama de habitats, parece ter preferência por biótopos rochosos, arribas, falésias costeiras e áreas agrícolas compostas por culturas de sequeiro extensivo, sendo também uma presença comum nas áreas urbanas de algumas vilas e cidades. Geralmente, é observada em bandos. Nidifica em árvores, cavidades rochosas e barreiras, assim como no alto de edifícios históricos, tais como grandes igrejas ou catedrais.

Trata-se de um espécie residente, que em Portugal continental se distribui de uma forma localizada. Ocorre no interior do território, sobretudo no sul do país. Chega a ser comum a nível local, nas áreas onde nidifica.

Onde se pode encontrar:

Parque Natural da Serra de São Mamede
Parque Natural do Vale do Guadiana





Sem ameaças a destacar.

Sem medidas a destacar.

Ligações Externas

Previsão da distribuição da espécie no futuro
Iberia Change | Biodiversidade e Alterações Climáticas na Península Ibérica: Mapa da espécie

Portal "Aves de Portugal"
Onde observar:

Previsão do impacte das alterações climáticas sobre a área de distribuição potencial do Corvus monedula na Península Ibérica, até ao ano de 2080 (clicar na imagem para ver em maior resolução).

O clima futuro foi caracterizado com base em três diferentes cenários de emissões (Araújo et al., 2012):
> o BAMBU tem como base a extrapolação das políticas europeias actuais para o futuro. Prevê a adopção de algumas medidas de mitigação das alterações climáticas.
> o GRAS pressupõe que a Europa incrementa a tendência de liberalização, desregularização e globalização dos mercados. Prevê a adaptação da sociedade às alterações do clima em detrimento da sua mitigação. As políticas de sustentabilidade são consideradas um sinónimo de crescimento económico.
> o SEDG pressupõe a integração de políticas ambientais, sociais, institucionais e económicas num contexto de sustentabilidade. É um cenário normativo que parte do pressuposto que as políticas são definidas com vista à obtenção de objectivos concretos

Autor: MVBIO