Nome Científico: Podarcis bocagei (Seoane, 1884)

Nome Comum: Lagartixa-de-Bocage

Classificação Científica:
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Reptilia
Ordem Squamata
Família Lacertidae
Género Podarcis
Espécie P. bocagei

Sinonímias: Lacerta muralis bocagei, Lacerta muralis var. bocagii

Estatuto de Conservação: LC - Pouco Preocupante

Trata-se de uma pequena lagartixa de corpo robusto e cilindriforme, cabeça pequena e focinho abaulado. A zona dorsal dos machos tende para tonalidades esverdeadas, por vezes verde-alface, coloração que se vai esbatendo à medida que se estende para os flancos, mais acastanhados; o padrão geral é malhado, composto por manchas mais escuras sobre o fundo esverdeado. As fêmeas são acastanhadas no dorso, exibindo listras dorsoventrais amarelas/esverdeadas. Durante a época de acasalamento a zona ventral dos machos adquire tons avermelhados ou amarelados.

Ocorre em diversos habitats tais como florestas, matos, prados ou zonas rochosas, podendo ser encontrada em aglomerados pedregosos, sebes e muros, preferencialmente em áreas ensolaradas. Adapta-se bem a paisagens humanizadas (e.g. terrenos agrícolas, povoações e zonas industriais)

Espécie endémica do noroeste da Península Ibérica que em Portugal continental ocorre a norte do território, de forma contínua no Minho e no Douro Litoral, e com algumas populações relativamente isoladas em Trás-os-montes (Chaves e Montesinho). Ocorre desde o nível do mar até 1.500 m de altitude (Serras da Peneda e do Gerês).

Onde se pode encontrar:

Parque Nacional da Peneda-Gerês
Parque Natural de Montesinho




> Destruição/alteração do habitat (e.g. práticas agrícolas intensivas, plantação de monoculturas florestais)

> Preservação/protecção do habitat (e.g. condicionar a agricultura intensiva)
> Ordenamento florestal
> Promover pesquisas adicionais sobre o estado das populações nos seus limites de distribuição geográfica

Ligações Externas

Atlas dos Anfíbios e Répteis de Portugal (Loureiro et al., 2008)
Disponível no portal do ICNF

Previsão da distribuição da espécie no futuro
Iberia Change | Biodiversidade e Alterações Climáticas na Península Ibérica: Mapa da espécie

Influência do dimorfismo sexual na locomoção em lagartixas Podarcis

Previsão do impacte das alterações climáticas sobre a área de distribuição potencial da Podarcis bocagei na Península Ibérica, até ao ano de 2080 (clicar na imagem para ver em maior resolução).

O clima futuro foi caracterizado com base em três diferentes cenários de emissões (Araújo et al., 2012):
> o BAMBU tem como base a extrapolação das políticas europeias actuais para o futuro. Prevê a adopção de algumas medidas de mitigação das alterações climáticas.
> o GRAS pressupõe que a Europa incrementa a tendência de liberalização, desregularização e globalização dos mercados. Prevê a adaptação da sociedade às alterações do clima em detrimento da sua mitigação. As políticas de sustentabilidade são consideradas um sinónimo de crescimento económico.
> o SEDG pressupõe a integração de políticas ambientais, sociais, institucionais e económicas num contexto de sustentabilidade. É um cenário normativo que parte do pressuposto que as políticas são definidas com vista à obtenção de objectivos concretos.

Autor: MVBIO