Nome Científico: Crematogaster scutellaris (Olivier, 1792)

Nome Comum: Formiga, Formiga-da-cortiça

Classificação Científica:
Reino Animalia
Filo Arthropoda
Classe Insecta
Ordem Hymenoptera
Família Formicidae
Género Crematogaster
Espécie C. scutellaris

Sinonímias: Acrocoelia ruficeps, Crematogaster scutellaris corsica, C. s. degener, C. s. grouvellei, C. s. lichtensteini, Formica haematocephala, F. scutellaris, Myrmica rediana, M. rubriceps

Estatuto de Conservação: NE - Não Avaliado

Trata-se de uma espécie monogínica e monomórfica. Tem cerca de 5 mm de comprimento, sendo que a rainha pode atingir os 8 mm. Têm a cabeça vermelha, enquanto que o tórax e o abdómen são pretos. O abdómen estreita na sua parte posterior, assumindo um aspecto cordiforme (forma de coração). Quando perturbadas, elevam o abdómen a 90º e expelem uma secreção branca de carácter irritante e que actua como sinal de alarme para as restantes formigas da colónia. São extremamente agressivas. Alimentam-se de secreções açucaradas de plantas, bem como de insectos e outros artrópodes.

Trata-se de uma espécie arborícola. Os formigueiros são escavados em ramos velhos de figueiras (Ficus spp.), oliveiras (Olea europaea) ou na cortiça de sobreiros (Quercus suber). As colónias podem ocupar mais de uma árvore.

Distribui-se por toda a Península Ibérica, assim como pela zona mediterrânica (ver a distribuição mundial da espécie no separador "Saber mais"). Em Portugal continental ocorre ao longo de todo o território.

Onde se pode encontrar:

Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina
Reserva Natural do Estuário do Sado
Parque Natural do Vale do Guadiana
Parque Nacional da Peneda-Gerês
Parque Natural da Serra de São Mamede
Parque Natural de Montesinho




Sem ameaças a destacar.

Sem medidas a destacar.

Ligações Externas

Distribuição mundial da Crematogaster scutellaris

Estudo da formiga da cortiça (Crematogaster scutellaris Oliv.) em montados de sobro da zona de Alcácer.
Peguicha (2007)

Estudo preliminar sobre as formigas (Hymenoptera: Formicidae) associadas ao olival da Terra Quente Transmontana (Nordeste de Portugal).
Pereira et al. (2002)

Autor: Eduardo J. G. Sequeira