Nome Científico: Capreolus capreolus (Linnaeus, 1758)

Nome Comum: Corço

Classificação Científica:
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Mammalia
Ordem Artiodactyla
Família Cervidae
Género Capreolus
Espécie C. capreolus

Sinonímias: Cervus capreolus

Estatuto de Conservação: LC - Pouco Preocupante

Trata-se do menor cervídeo de Portugal (e da Europa). O pêlo é castanho-avermelhado e curto durante o Verão, sendo castanho-acinzentado e mais comprido no Inverno. A mancha branca na região anal é bem visível, sendo reniforme nos machos e cordiforme nas fêmeas. A cauda é muito curta. O macho tem hastes curtas e pontiagudas que caiem no Outono, após a época de reprodução, voltando a nascer na Primavera. As fêmeas são desprovidas de hastes. É de destacar o marcado contraste entre o focinho preto e os lábios brancos. As crias possuem manchas brancas no dorso que acabam por desaparecer.

Ocorre em bosques e florestas variadas, matos mediterrânicos com áreas abertas, campos agrícolas e prados.

Em Portugal continental ocorre essencialmente no norte (nas principais serras e parques naturais), nas zonas fronteiriças, sendo mais escasso na região sul do país.

Onde se pode encontrar:

Parque Natural de Montesinho
Parque Nacional da Peneda-Gerês





Sem ameaças a destacar.

Sem medidas a destacar.

Ligações Externas

Previsão da distribuição da espécie no futuro
Iberia Change | Biodiversidade e Alterações Climáticas na Península Ibérica: Mapa da espécie

Phytosociology applied to wildlife management - a study on the potentiality for the reintroduction of cervids in the Montemuro-Freita-Arada mountain range.
Bellu (2012)

Modelo da distribuição do Corço (Capreolus capreolus) numa área em Trás-os-Montes e os factores que o condicionam.
Freire (2012)

Living on the edge: roe deer (Capreolus capreolus) density in the margins of its geographical range.
Valente et al. (2014)

Spring variation of total sugars and phenols on woody plants important for Red and Roe deer in Montesinho Natural Park (NE Portugal).
Haddouch (2017)

População de corços estabilizou no Parque Nacional Peneda-Gerês.
Jornal PÚBLICO (2003)

Previsão do impacte das alterações climáticas sobre a área de distribuição potencial do Capreolus capreolus na Península Ibérica, até ao ano de 2080 (clicar na imagem para ver em maior resolução).

O clima futuro foi caracterizado com base em três diferentes cenários de emissões (Araújo et al., 2012):
> o BAMBU tem como base a extrapolação das políticas europeias actuais para o futuro. Prevê a adopção de algumas medidas de mitigação das alterações climáticas.
> o GRAS pressupõe que a Europa incrementa a tendência de liberalização, desregularização e globalização dos mercados. Prevê a adaptação da sociedade às alterações do clima em detrimento da sua mitigação. As políticas de sustentabilidade são consideradas um sinónimo de crescimento económico.
> o SEDG pressupõe a integração de políticas ambientais, sociais, institucionais e económicas num contexto de sustentabilidade. É um cenário normativo que parte do pressuposto que as políticas são definidas com vista à obtenção de objectivos concretos.

Autor: MVBIO