Nome Científico: Falco tinnunculus Linnaeus, 1758

Nome Comum: Peneireiro-vulgar, Peneireiro-de-dorso-malhado

Classificação Científica:
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Falconiformes
Família Falconidae
Género Falco
Espécie F. tinnunculus

Sinonímias: Falco rupicolus, F. tinnunculus interstictus

Estatuto de Conservação: LC - Pouco Preocupante

Trata-se de um falcão de pequeno porte, de asas pontiagudas, cuja principal característica é o hábito de peneirar (pairar em voo) enquanto procura presas durante a caça. É uma espécie que apresenta um evidente dimorfismo sexual. A cabeça é cinzenta-azulada e lisa no macho, enquanto a da fêmea é castanha e listada de preto. O bico é curto e robusto. Tanto o macho como a fêmea têm o dorso cor-de-tijolo (arruivado) e pintalgado de preto (especialmente na fêmea), no entanto, o peito da fêmea é marcadamente listado de preto enquanto o do macho é quase liso. A cauda é comprida, sendo lisa e cinzenta-azulada no macho, com uma banda subterminal negra, enquanto a da fêmea é castanha com várias barras pretas. As garras são munidas de unhas negras, característica que auxilia a distingui-lo do seu congénere, peneireiro-das-torres, cujas unhas são brancas. Este último, apresenta o dorso liso, sem qualquer pinta negra, sendo outro aspecto que ajuda na distinção entre as duas espécies. Os juvenis apresentam uma plumagem muito semelhante à das fêmeas, sendo, normalmente, mais estriados. A fêmea é maior que o macho.

Ocorre num variado tipo de habitats, desde zonas agrícolas e campos cerealíferos a ambientes urbanos ou humanizados, preferencialmente em áreas abertas. Nidifica frequentemente em meios urbanos, inclusive nas grandes cidades.

Ave residente, bastante comum e amplamente distribuída ao longo de todo o território de Portugal continental.

Onde se pode encontrar:

Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina
Reserva Natural do Estuário do Sado
Parque Natural do Vale do Guadiana





Sem ameaças a destacar.

Sem medidas a destacar.

Ligações Externas

Previsão da distribuição da espécie no futuro
Iberia Change | Biodiversidade e Alterações Climáticas na Península Ibérica: Mapa da espécie

Portal "Aves de Portugal"
Onde observar:

Previsão do impacte das alterações climáticas sobre a área de distribuição potencial do Falco tinnunculus na Península Ibérica, até ao ano de 2080 (clicar na imagem para ver em maior resolução).

O clima futuro foi caracterizado com base em três diferentes cenários de emissões (Araújo et al., 2012):
> o BAMBU tem como base a extrapolação das políticas europeias actuais para o futuro. Prevê a adopção de algumas medidas de mitigação das alterações climáticas.
> o GRAS pressupõe que a Europa incrementa a tendência de liberalização, desregularização e globalização dos mercados. Prevê a adaptação da sociedade às alterações do clima em detrimento da sua mitigação. As políticas de sustentabilidade são consideradas um sinónimo de crescimento económico.
> o SEDG pressupõe a integração de políticas ambientais, sociais, institucionais e económicas num contexto de sustentabilidade. É um cenário normativo que parte do pressuposto que as políticas são definidas com vista à obtenção de objectivos concretos.

Autor: MVBIO