Nome Científico: Dianthus lusitanus Brot.

Nome Comum: Cravinho, cravo-bravo, cravina-brava, craveiro-de-portugal, cravo-rosado, cravo-de-maio

Classificação Científica:
Reino Plantae
Divisão Magnoliophyta (Angiospermae)
Classe Magnoliopsida
Ordem Caryophyllales
Família Cariophyllaceae
Género Dianthus
Espécie D. lusitanus

Sinonímias: Dianthus lusitanicus

Estatuto de Conservação: NE - Não Avaliado

Planta vivaz, com caules finos e lenhoso, formando tufos (até 45 cm de altura). Caule: floríferos rígidos, podem ser simples ou ramosos. Folhas: carnudas, lineares (10-30 x 0,5-2 mm), sem nervuras aparentes, estreitas (não mais de 1 cm de largura). Inflorescências: flores solitárias ou aos pares, rosadas, dispostas nas extremidades dos ramos; brácteas (4 a 6) lanceoladas, acuminadas; cálice de (min. 15) 19 a 23 (máx. 25) mm, estreita progressivamente no extremo superior; corola com quase 2 cm de diâmetro, formada por 5 pétalas profundamente dentadas.Fruto: cápsula. Floresce de Junho a Setembro.

Trata-se de uma espécie rupícola. Ocorre nas fendas de rochedos ácidos, em locais de elevada exposição solar, dos 300 aos 1850 m de altitude.

Distribui-se pela Península Ibérica e pelo norte Argélia e Marrocos. Em Portugal continental é frequente em todo o território, ocorrendo sobretudo nas regiões interiores, desde o Alentejo a Trás-os-montes.

Onde se pode encontrar:

Parque Natural da Serra de São Mamede
Parque Natural do Vale do Guadiana

Sem ameaças a destacar.

Sem medidas a destacar.

Ligações Externas

Ver descrição detalhada na Flora iberica (1986-2012)

Flora-On: Flora de Portugal Interactiva (2014) | Sociedade Portuguesa de Botânica.

Autor: Jorge Araújo