Nome Científico: Juniperus navicularis Gand.

Nome Comum: Piorro

Classificação Científica:
Reino Plantae
Divisão Pinophyta (Gimnospermae)
Classe Pinopsida
Ordem Cupressales
Família Cupressaceae
Género Juniperus
Espécie J. navicularis

Sinonímias: Junipterus oxycedrus subsp. transtagana

Estatuto de Conservação: NE - Não Avaliado

Trata-se de um pequeno arbusto dióico, com até 2 m de altura. Folhas: 3-verticiladas, simples, semelhantes entre si, aciculares, rígidas, com duas faixas estomáticas na página superior separadas por uma nervura verde, com menos de 12 mm. Inflorescências: flores unissexuais; as masculinas formadas por 3 ou mais sacos polínicos na face inferior de uma pequena escama; as femininas resultando num gálbulo baciforme, vermelho quando maduro, com 7 a 10 mm de diâmetro. Floresce de Março a Abril.

Ocorre em matagais sobre substratos arenosos ácidos (e.g. paleodunas) e em pinhais sobre areias marítimas estabilizadas, profundas e sem toalha freática perto da superfície.

Endemismo do sul da Península Ibérica, quase exclusivamente lusitano. Em Portugal continental ocorre, sobretudo, na zona do estuário do Sado e península de Setúbal, tendo alguns registos ao longo do sudoeste alentejano e da costa vicentina.

Onde se pode encontrar:

Reserva Natural do Estuário do Sado
Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina

Sem ameaças a destacar.

> Trata-se de uma planta com elevada relevância conservacionista por se tratar de um endemismo quase exclusivamente lusitano. É necessária a recolha de informação detalhada acerca da sua área de distribuição actual, dimensões das populações e possíveis ameaças.

Ligações Externas

Ver descrição detalhada na Flora iberica (1986-2012)

Flora-On: Flora de Portugal Interactiva (2014) | Sociedade Portuguesa de Botânica.

Juniperus navicularis Gand - contributos para a sua conservação.
Basílio e Castro (2009)

Juniperus navicularis Gand.
Figueiredo et al. (2014)

Autor: Jorge Araújo