Nome Científico: Recurvirostra avosetta L.

Nome Comum: Alfaiate

Classificação Científica:
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Charadriiformes
Família Recurvirostridae
Género Recurvirostra
Espécie R. avosetta

Estatuto de Conservação: NT - Quase Ameaçado

Ave limícola (até 77 cm de envergadura e 46 cm de comprimento) que se distingue facilmente pelas seguintes características: pernas longas, bico fino, preto e longo (8 cm), visivelmente recurvado para cima. A plumagem é branca com manchas pretas e as longas pernas são de um azul-pálido. Apresenta um dimorfismo sexual ténue: os machos têm bico maior e marcas pretas na cabeça; as fêmeas têm um bico mais curto e marcas da cabeça indefinidas, com matizes acastanhados. Os juvenis exibem zonas brancas manchadas de castanho e as pernas cinzento-azuladas. Comportamento: voa com batimentos bastante rápidos e nada, ocasionalmente, alçando o rabo. Espécie colonial, ocasionalmente solitária. Acasalamento monogâmico. Nidifica no chão, numa cova parcial ou totalmente coberta, perto da água. Trata-se de uma ave barulhenta e inquieta, sendo que a sua vocalização é um curto som flauteado, bem audível a distância.

Espécie limícola, confinada a águas pouco profundas, doces ou salobras, costeiras, de substrato formado por sedimentos brandos, ricos em invertebrados aquáticos, dos quais se alimenta. Pode ser encontrada em lagoas, estuários, salinas ou barragens. Ocasionalmente observada em águas doces interiores.

Espécie migradora da Região Paleártica que inverna na região mediterrânica e em África. Em Portugal continental pode ser encontrada de Outubro a Março, sobretudo nos estuários do Tejo e do Sado. Existe uma pequena população nidificante no sotavento algarvio (Ria Formosa e Reserva de Castro Marim, durante todo o ano). Ocasionalmente, pode ocorrer nas zonas húmidas do Barlavento (Lagoa dos Salgados e do estuário do Arade).

Onde se pode encontrar:

Reserva Natural do Estuário do Sado






Ameaças relativas à população nidificante em Portugal continental.

> Perda ou degradação do habitat (e.g. abandono ou degradação de salinas, transformação de salinas em aquacultura marinhas)
> Pressão urbanística e turística da zona litoral
> Poluição da água
> Colisão com linhas aéreas de transporte de energia
> Instalação de parques eólicos (mortalidade por colisão)

> Manter área de ocupação/distribuição actual
> Manter a presença de população invernante no país.
> Promover a continuidade das rotas migratórias.
> Conservar as zonas de nidificação/alimentação/invernada
> Restaurar e manter os complexos de salinas utilizados pela espécie
> Controlo da perturbação humana condicionando a expansão urbano-turística
> Manter e melhorar a qualidade da água pelo tratamento eficaz das descargas de efluentes
> Proibir a instalação de linhas eléctricas de transporte de energia nas áreas mais importantes para a espécie
> Condicionar a instalação de parques eólicos nas áreas mais importantes para a migração e dispersão da espécie
> Elaborar os planos de gestão/ordenamento dos locais de que a espécie depende
> Promover estudos sobre aspectos básicos da biologia da espécie
> Monitorizar os efectivos populacionais.

Ligações Externas

Livro Vermelho dos Vertrebados de Portugal (2005)
Disponível no portal do ICNF

Plano Sectorial da Rede Natura 2000 - Fichas de caracterização ecológica e de gestão das espécies de Aves.
Disponível no portal do ICNF

Portal "Aves de Portugal"
Onde observar:

Distribuição, abundância e medidas de conservação para a população reprodutora de Alfaiate Recurvirostra avosetta em Portugal.
Catry et al. (2004)

Autor: Jorge Araújo