Nome Científico: Asio flammeus (Pontoppidan, 1763)

Nome Comum: Coruja-do-nabal

Classificação Científica:
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Strigiformes
Família Strigidae
Género Asio
Espécie A. flammeus

Sinonímias: Aegolius brachyotus, Aluco flammea

Estatuto de Conservação: EN - Em Perigo

Trata-se de uma rapina nocturna de médio porte, podendo atingir os 39 cm de comprimento e os 110 cm de envergadura. Entre as suas principais características estão o seu disco facial branco-amarelado, muito claro, os grandes olhos de íris amarela, assim como a cabeça e o peito bastante listrados. A cabeça é pequena e de formato arredondado, com "orelhas" de pequena dimensão, nem sempre visíveis. A plumagem vai do castanho-amarelado ao branco-amarelado, sendo marcadamente listrada; abdómen praticamente sem marcas. As asas são compridas e estreitas. Em voo, é possível distinguir o bordo posterior branco no "braço" e a ponta das asas quase preta (características distintivas relativamente ao bufo-pequeno). Na cauda, exibe barras grossas. O bico e as garras são escuros, de tonalidades acinzentadas. Geralmente, o macho tem a face e as partes inferiores mais pálidas, tal como um padrão listrado menos marcado do que a fêmea, sendo esta ligeiramente maior e mais pesada.

Ocorre, essencialmente, em habitats abertos, onde haja disponibilidade de presas para a sua alimentação. É uma das aves de rapina nocturnas com hábitos mais diurnos. Nas zonas de invernada caça em sapais, orlas de caniçais, margens de valas ou de planos de água, arrozais, salinas, pastagens, montados e terrenos agrícolas abertos.

Espécie invernante em Portugal continental, sendo considerada rara ou pouco comum. Apresenta uma distribuição algo localizada, apesar de poder ocorrer em todo o território nacional, surgindo sempre em baixas densidades. É mais frequente na metade sul do país, destacando-se a sua presença nos estuários do Tejo e do Sado e, em menor número, na Ria de Aveiro e Ria Formosa.

Onde se pode encontrar:

Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina
Reserva Natural do Estuário do Sado








> Degradação/alteração dos habitats de alimentação (e.g. intensificação da agricultura, abandono das actividades tradicionais nas zonas húmidas, limpeza da vegetação ribeirinha, expansão urbanística e turística)
> Perseguição humana (e.g. abate/caça ilegal)
> Utilização de venenos e de agroquímicos
> Perigo de colisão/electrocussão em linhas aéreas de distribuição e transporte de energia
> Atropelamento
> Colisão com aeronaves nas áreas abertas dos aeroportos

Espécie listada no Anexo A-I (espécies de aves de interesse comunitário cuja conservação requer a designação de zonas de protecção especial) do Decreto-Lei nº 140/99, de 24 de Abril.

> Recuperação/preservação dos habitats de alimentação
> Manutenção das práticas agrícolas e pecuárias tradicionais
> Ampliar as sanções legais para os prevaricadores em matéria de perseguição/abate de espécies protegidas
> Implementar um programa nacional de erradicação do uso de venenos nos meios rurais
> Corrigir e sinalizar traçados e apoios da rede de distribuição e transporte de energia
> Promoção de campanhas de sensibilização e educação ambiental para os caçadores, agricultores e o público em geral
> Promoção da realização de censos e estudos sobre a biologia e a ecologia da espécie

Ligações Externas

Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal (2005)
Disponível no portal do ICNF

Plano Sectorial da Rede Natura 2000 - Fichas de caracterização ecológica e de gestão das espécies de Aves
Disponível no portal do ICNF

Previsão da distribuição da espécie no futuro
Iberia Change | Biodiversidade e Alterações Climáticas na Península Ibérica: Mapa da espécie

STRI - Rapinas Nocturnas de Portugal
Ficha da Coruja-do-nabal

Portal "Aves de Portugal"
Onde observar:

Impact of vagrant predators on the native fauna: a Short-eared Owl (Asio flammeus) preying on Madeiran Storm Petrels (Oceanodroma castro) in the Azores.
Bried (2003)

Predation Attempts by Short-eared and Long-eared Owls on Migrating Songbirds Attracted to Artificial Lights.
Canário et al. (2012)

Previsão do impacte das alterações climáticas sobre a área de distribuição potencial do Asio flammeus na Península Ibérica, até ao ano de 2080 (clicar na imagem para ver em maior resolução).

O clima futuro foi caracterizado com base em três diferentes cenários de emissões (Araújo et al., 2012):
> o BAMBU tem como base a extrapolação das políticas europeias actuais para o futuro. Prevê a adopção de algumas medidas de mitigação das alterações climáticas.
> o GRAS pressupõe que a Europa incrementa a tendência de liberalização, desregularização e globalização dos mercados. Prevê a adaptação da sociedade às alterações do clima em detrimento da sua mitigação. As políticas de sustentabilidade são consideradas um sinónimo de crescimento económico.
> o SEDG pressupõe a integração de políticas ambientais, sociais, institucionais e económicas num contexto de sustentabilidade. É um cenário normativo que parte do pressuposto que as políticas são definidas com vista à obtenção de objectivos concretos.

Autor: STRI - Rapinas Nocturnas de Portugal / MVBIO